Blog

CONTAS A PAGAR E RECEBER PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE


por Líder Serviços Contábeis em 01/07/2019

    Saber organizar a vida financeira é essencial para qualquer pessoa, agora, imagine para a sua clínica. Para os profissionais da saúde, é indispensável o conhecimento dos custos e receitas empresariais, para que se possa fazer um planejamento compatível com a realidade da empresa, assim, fazendo com que ela possa seguir em um ritmo próspero e saudável.

    Elaborar uma estruturação das contas a serem pagas e os valores a serem recebidos, irá te ajudar a ter uma visão de curto, médio e longo prazo, auxiliando na projeção do seu negócio, com informações para os próximos, dias, semanas, meses e anos!

    Analisar a liquidez da empresa e a disponibilidade em caixa, contribui para que você possa antecipar decisões importantes, como negociação de prazos com fornecedores, ter uma estimativa de produtos parados em estoque, programar empréstimos ou investimentos, entre outras ações financeiras que podem ser realizadas, evitadas ou reduzidas.

    A definição para esta relação de atividades é chamada de Fluxo de Caixa. É dele que iremos falar a seguir, pois, é através deste mecanismo que as empresas podem controlar, planejar e analisar as operações do dia-dia financeiro da empresa. A finalidade deste instrumento é contabilizar e planejar o saldo disponível em caixa, mantendo sempre um capital de giro acessível para eventuais gastos ou investimentos.

    O objetivo deste artigo é colaborar nesse processo, com algumas informações fundamentais para te apoiar nessa jornada financeira no mundo dos negócios. Então, vamos lá!

Veja agora, o passo a passo da base estrutural simplificada do fluxo de caixa que deverá ser levantada de acordo com a necessidade da empresa e do gestor. 

 

  •  Plataforma de controle:

    Será necessário a o uso de um mecanismo de software como o Excel ou alguma plataforma de controle financeiro que já tenha disponível para te auxiliar no acompanhamento e na organização das despesas e receitas.

 

  •  Valores a receber:

    Organize os prazos de recebimento estabelecido com os clientes e a forma com que cada um deles será feito (a vista, a prazo, cartão, cheque, boleto...). Fique atento ao prazo de liquidação dos valores a receber, pois é nessa data que o dinheiro irá entrar.

 

  •  Valores a pagar:

    Com todos os valores a receber lançados e organizados é o momento de iniciar um cronograma. Isso exige que seja registrado e classificado todas as saídas diárias e a suas respectivas datas de vencimento, para determinar o que deverá ser pago primeiro de acordo com os prazos de pagamento e a disponibilidade em caixa, evitando a incidência de atrasos e juros ou a busca por empréstimos para cumprir com as obrigações, aumentando significativamente os custos. Atente-se em mencionar a forma de pagamento (a vista, a prazo...etc.).

 

  •  Saldo final disponivel:

    A consequência está em apurar o dinheiro disponível em caixa ou depositado na conta corrente da empresa, com a diferença entre o valor total dos recebimentos e pagamentos efetivos feitos em um dado período. O excedente final em caixa deve coincidir com a quantia disponível no caixa ou banco.

    Agora, para que não haja uma alta concentração de saída do dinheiro em um determinado período, analise os prazos de vencimento das suas despesas com os prazos de recebimento da receita. Assim, é possível alterar alguns vencimentos para outro momento que não seja compatível com o volume de despesas fixas que não são possíveis alterar o vencimento, como salários ou impostos. Tudo em conformidade com o que há disponível em caixa.

 

Como projetar o seu  Fluxo de Caixa?

    Com a movimentação diária de capital registrada e organizada, chegou a vez de analisar os resultados financeiros apresentados pela empresa no presente, para criar um panorama futuro. É neste momento que é possível observar se o negócio gasta mais que recebe, divergências entre o prazo de pagamento de fornecedores e o recebimento de clientes ou se há valores parados em estoque. Deste modo, o gestor pode traçar um plano estratégico buscando modificar pontos revelados através do fluxo de caixa. Pode tanto evitar que a empresa apresente sérias dificuldades financeiras futuras, decorrente de uma má administração dos recursos, quanto promover uma expansão por meio de uma gestão eficiente.

 

Saiba o que é o Fluxo de Caixa Livre

    O fluxo de caixa livre é um complemento dos apresentados anteriormente. Enquanto o fluxo de caixa visa o registro das movimentações diárias, a projeção do fluxo de caixa mostra um cenário proveniente dos resultados obtidos. Já o fluxo de caixa livre revela a capacidade da geração de capital da empresa no curto, médio e longo prazo. Ele indica o saldo efetivo, que representa a diferença entre as despesas e receitas. Para orientar nesse diagnóstico é utilizado relatórios de projeções de acompanhamento dos resultados do período de 60 a 90 dias e de 2 a 5 anos. Assim, caso a análise seja positiva é possível considerar investimentos. Caso seja negativo, será necessário avaliar uma estratégia para sair do vermelho.

 

    É com esta ferramenta que você, profissional da saúde, conseguirá ampliar os horizontes do seu negócio ou ter mais cautela com as ações financeiras da empresa, planejando o momento certo de agir.

Leia mais...

CONTROLE DE LIVRO CAIXA PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE


por Líder Serviços Contábeis em 17/06/2019

Ao iniciar as atividades como profissional autônomo ou liberal, os profissionais da área da saúde se confrontam com um elemento fundamental para a organização dos registros financeiros e de prestação dos serviços, o livro caixa.

Os lançamentos em livro caixa auxiliam no controle da movimentação contábil e seguem uma ordem temporal de entradas e saídas de valores, lançando as receitas e despesas diariamente para uma otimização das informações mensais. É necessário armazenar notas fiscais de pagamento de produtos e serviços obtidos, para constatação das despesas declaradas. Esta prática viabiliza a redução considerável dos impostos a pagar por meio do carnê-leão.

Livro Caixa

A grande maioria dos médicos, dentistas, nutricionistas, psicólogos etc. atuam como autônomos ou como profissionais liberais, ou seja, sem vínculo empregatício com algum estabelecimento fixo. Deste modo precisam ter controle de todos os movimentos contábeis devidamente registrados. Além de ser possível importar o livro caixa para o sistema da receita federal na apuração da declaração do imposto de renda, ele também mostra como está a situação de caixa do seu empreendimento. Deste modo, você conseguirá identificar quais despesas são dedutíveis ou quais atividades que trazem maior receita, ajudando no planejamento estratégico e financeiro da sua clínica ou consultório.

Carnê- leão

Os médicos ou profissionais da área da saúde que atuam como autônomos ou profissionais liberais estão sujeitos ao recolhimento de imposto por meio do carnê-leão. Diferente do profissional assalariado, que retêm impostos direto em fonte, a retenção dos impostos a pagar fica por conta do próprio profissional liberal. E o carnê-leão é a escrituração eletrônica do livro-caixa, utilizada nesses casos. As apurações devem ser feitas mensalmente, para facilitar o controle dos dados que deverão ser apresentados no IRPF anual

Despesas dedutíveis no carnê- leão

É possível abater no imposto de renda algumas despesas relacionadas a execução atividade exercida, especialmente aos profissionais da área da saúde. Lembrando que para serem deduzidas todos os gastos listados abaixo precisam estar lançados corretamente no livro caixa com documentação compatível para comprovação arquivada (Nota Fiscal).  Nele é possível também realizar a transferência do excedente das despesas para o mês seguinte até dezembro, com uma importação dos dados cadastrados do livro caixa de um exercício para o exercício seguinte.

Segue alguns exemplos de custos que podem amortizar, ou seja, abater no imposto de renda:

1.       Material de consumo

Produtos para conservação e limpeza, materiais de escritório etc. Entram na lista de dedução.

2.       Roupas específicas e Literatura técnica etc.

Batas, jalecos ou roupas cirúrgicas são alguns exemplos. Livros que auxiliam na atualização da profissão com novas tecnologias e tratamentos, novos hardware e software, assinaturas de publicações na área, também configuram reembolso.

3.       Custos fixos

Gastos com água, luz, aluguel, telefone, impostos, condomínio, telefone celular são passíveis de dedução. O abatimento é integral em casos em que o escritório não seja na própria residência. Caso o escritório seja no mesmo ambiente residencial, é possível deduzir um quinto do valor dos custos.

4.       Propaganda

Gastos com propaganda para a captação de novos clientes podem ser incluídas.

5.       Eventos científicos

Comparecimento em encontros científicos como seminários, congressos, simpósios que tenham forte ligação com à atividade. São permitidos apresentar, taxa de inscrição, aquisição de materiais de estudo/trabalho, passagens de ida e volta ao local do evento ou reunião, hospedagem e alimentação e certificado de conclusão de curso.

6.       Salários de funcionários e serviços de terceiros

Os salários de empregados, bem como os encargos trabalhistas, são dedutíveis. Pagamentos a terceiros, também são aceitos, desde estejam vinculados a atividade realizada.

7.       Contabilidade (Honorários)

Os honorários pagos aos contadores adequadamente registrados no conselho regional de contabilidade, são custos que podem ser abatidos.

8.       Sindicatos e órgãos de fiscalização

Incentivos a associações que contribuam para melhorias e desenvolvimento das atividades relacionadas ao profissional liberal da saúde, bem como contribuição a conselhos e sindicatos de classe.

9.       Advogados (Honorários)

Causas trabalhistas ou outras situações relativas à prestação de serviço, podem ser apresentadas na declaração para serem deduzidas.

10.   Despesas não dedutíveis

Nem todas as despesas podem ser apresentadas no imposto de renda. Casos como depreciação de bens, reformas em imóveis não configuram despesas dedutíveis.

 

O profissional liberal deve ficar antenado a apuração e ao pagamento dos impostos sobre a renda mensal para que não pague multa conforme a legislação federal prevê e para que deduzam apenas as despesas possíveis. O mantenha sempre atualizado para usufruir de todos os benefícios disponíveis para o seu negócio. A Líder pode estar presente te auxiliando na gestão financeira e contábil do seu consultório, de forma ágil, assertiva e próxima. Construindo uma parceria sólida e de sucesso!!!!!

Leia mais...

Legalização de empresas para profissionais da área da saúde


por Líder Serviços Contábeis em 05/06/2019

Legalização de empresas para profissionais da área da saúde

 

Após a residência médica, os profissionais da área da saúde enfrentam alguns desafios e com eles surgem algumas dúvidas. Uma delas está relacionada a legalização de empresa para iniciar o funcionamento de suas atividades.

Para elucidar essas dúvidas, traremos neste artigo, informações importantes sobre esse processo, que é essencial para o sucesso profissional de quem deseja abrir uma empresa. O procedimento de abertura envolve várias etapas, que muitas vezes, pode parecer complicado e cansativo para quem nunca abriu um negócio antes. Mas sem a conclusão deste estágio fica inviável o começo da atuação na área tão desejada. A legalização da atividade médica ou do profissional da saúde é sem dúvida o passo mais importante após a saída da vida acadêmica.

 

Qual é a forma de atuação que melhor se encaixa para o seu negócio?

Todo profissional da área da saúde que precisa atuar ou prestar serviços para hospitais e clínicas, deve abrir uma empresa para legalização do seu negócio. Existem muitos formatos disponíveis para abertura de empresas, mas aqui iremos apresentar algumas alternativas viáveis para médicos, Fonoaudiólogos, Fisioterapteutas, Nutricionistas, Dentistas, etc…

São elas:

 

  • Profissional Liberal (autônomo)

É possível começar a atuar sem abrir uma empresa. O trabalhador autônomo corresponde à pessoa física que exerce suas atividades por conta própria (sem sócios) e não possui vínculo empregatício com o contratante, atuando como profissional liberal (médico, dentista, fisioterapeuta etc.), vendendo serviços de caráter intelectual podendo ter a colaboração de funcionários. Para regularização do autônomo:

 

  • NF (obrigatória, dependendo do município)

  • Registro e recolhimento de INSS

  • Se houver estabelecimento, Alvará de Funcionamento e sanitário

  • Cadastro na prefeitura como contribuinte do ISS e recolhimento anual


 

  • Empresário Individual

Neste modelo o empresário exerce as atividades em nome próprio, no qual, não há distinção da pessoa natural e do empresário individual no que se refere ao patrimônio, sendo o proprietário totalmente responsável pelas dívidas empresariais.

OBS.: os médicos, para o exercício simultâneo da farmácia; os farmacêuticos, para o exercício simultâneo da medicina; (não podem ser EI nesta situação)

 

  • Eireli

A empresa individual de responsabilidade limitada (EIRELI) tem como característica separar o patrimônio empresarial do privado, ou seja, o empresário não responderá com seus bens pessoais pelas dívidas da empresa.

 

  • Sociedade Simples

A Sociedade Simples, é considerada pessoa jurídica, constituída de duas ou mais pessoas que contribuem com bens e serviços para executar uma atividade econômica objetivando a partilha dos resultados entre si, não caracterizando uma atuação própria de empresário.

 

  • Sociedade Simples Pura

Aqui a sociedade é restrita apenas aos profissionais da área da saúde para a formação do modelo empresarial.

 

  • Sociedade Empresarial LTDA

A sociedade empresária limitada (LTDA) corresponde a reunião de dois ou mais empresários de atividades diferentes (profissionais da área da saúde e de outras áreas), para a execução de atividades econômicas. Ambos contribuem com moedas ou bens para a formação do capital social, respondendo pela complementação total do capital.

 


Regime de Tributação para médicos

Dependendo do tamanho da empresa existem três tipos de regimes tributários. Sendo eles: Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. Exigem certos pré requisitos para que a atuação em cada seja possível.

 

Abaixo, algumas premissas e diferenças básicas para cada tipo de tributação:


 

Simples Nacional:

  • Ter atividade de atuação definida  (CNAE - Classificação Nacional de Atividade Econômica);

  • Ser Microempresa (ME) ou Empresa de pequeno porte (EPP);

  • Ter receita bruta anual de até 4,8 milhões, equivalente a 400 mil mensais;

  • Possibilidade de enquadramento diferenciados por Estado;

  • Pagamento de uma guia com todos os impostos;

 

Lucro Presumido:

  • Presume o lucro da pessoa jurídica a partir da receita bruta e e outras receitas sujeitas à tributação;

  • Faturamento de até 78 milhões anuais;

  • Pagamento de diversas guias específicas;

  • Considera impostos federais como o IRPJ - imposto de renda pessoa jurídica e CSLL - Contribuição social sobre o lucro líquido;

 

Lucro Real:

  • As empresas que não se encaixam nas opções acima, são classificadas no Lucro real;

  • Receitas acima de 78 milhões contribuem por esse regime;

  • Leva em consideração a situação real da empresa ao impor o tributo a ser pago;

  • Demanda maior controle contábil;

 

Contrato social

 

O contrato social é um documento jurídico de alta importância. Nele fica resguardado, mediante lei, os direitos e deveres entre os sócios. Ele defende a empresa dos agentes alheios a ela, como seus sócios e terceiros.

 

Passo a passo para a legalização de empresa para médicos e profissionais da saúde:

 

1) Registar empresa e contrato

  • Registrar a empresa no órgão da classe, no caso para os médicos, o conselho regional de medicina de Santa Catarina (CRM-SC);

 

  • Registrar na junta comercial do estado o contrato social da empresa;

 

2) Registro de Pessoa Jurídica em Cartório

  • Se for prestar serviços como autônomo é necessário ter cnpj e registro no Cartório de Pessoa Jurídica;

3) Cadastrar a empresa na receita federal (CNPJ)

  • É preciso ter o documento básico de entrada (DBE) disponível no site da receita federal para obter CNPJ e Inscrição Estadual

4) Registrar na Prefeitura

  •  Após conseguir liberação do contrato social, CNPJ e Inscrição Estadual é necessário registro da empresa na prefeitura municipal, para a solicitação de Alvará de funcionamento e sanitário que são importantes também para profissionais da saúde.

 

5) Certificado Digital

  • Para emitir notas fiscais e concluir as obrigações fiscais da empresa é indispensável a aquisição do certificado digital (E-CNPJ).

 

No processo de legalização, é de fundamental importância ter o auxílio e acompanhamento de um contador, que ajudará a identificar as necessidades e a traçar estratégias que melhor se adequam ao seu consultório.

A Líder Serviços Contábeis pode contribuir facilitando e agilizando o procedimento de abertura da sua empresa, analisando meios, prazos e resultados, fazendo parte desta jornada inicial com você. Estamos a postos para sanar dúvidas e anseios em torno deste momento crucial para todo profissional da área da saúde.

Leia mais...